Mais de 95% dos residentes em Portugal com anticorpos contra o vírus.

A quase totalidade da população residente em Portugal tinha anticorpos específicos contra o SARS-CoV-2, com uma seroprevalência total de 95,8%, de acordo com os dados da 4.ª fase do Inquérito Serológico Nacional Covid-19 (ISN Covid-19), realizado entre 27 de abril e 8 de junho.

De acordo com os resultados do estudo promovido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), este valor representa um aumento de cerca de 10% em relação à 3.ª fase do ISN Covid-19 (86,4%, setembro a novembro de 2021).

O estudo revela que a seroprevalência total foi mais elevada no grupo etário entre os 20 e os 29 anos (98,6%) e na região Norte (96,8%), embora aumentos semelhantes tenham sido observados em todos os grupos etários acima dos 20 anos, inclusive no grupo etário acima dos 70 anos, no qual a seroprevalência estimada foi de 97,2%.

Os grupos etários abaixo dos 10 anos foram aqueles onde se observaram seroprevalências mais reduzidas, sendo, no entanto, abaixo dos 20 anos que se observou um maior aumento da seroprevalência em relação à 3.ª fase do ISN Covid-19, valores que traduzem a elevada incidência de Covid-19 na população infantil, em especial durante a vaga Omicron, em janeiro de 2022. Os níveis de anticorpos foram mais elevados no grupo etário dos 50-59 anos e mais baixos nos grupos abaixo dos 10 anos de idade, o que indica que os indivíduos, simultaneamente, vacinados e que tiveram uma infeção por SARS-CoV-2 se mantêm como aqueles com níveis mais elevados de anticorpos, tal como se observou na segunda e terceira fases do ISN Covid-19.

Em relação às regiões de saúde, o Algarve mantém-se a região com menor seroprevalência, provavelmente relacionada com menor cobertura vacinal na região, e a região Norte como aquela em que se observou uma seroprevalência mais elevada. Os resultados obtidos na 4.ª fase do ISN Covid-19 corroboram a necessidade de cumprir os esquemas vacinais em todas as idades e independentemente de ocorrência de infeção anterior e a realização de segunda dose de reforço nos grupos mais velhos e vulneráveis.

A 4.ª fase do ISN Covid-19 analisou uma amostra de 3.825 remanescentes de soros de indivíduos de todas as idades, que realizaram colheitas de sangue, entre 27 de abril e 8 de junho de 2022, numa rede de laboratórios clínicos e hospitais, previamente selecionados e distribuídos por todo o país.

De: https://www.sns.gov.pt/noticias/2022/09/15/imunidade-contra-a-covid-19/